Calendário semanal de atividades da greve

Em destaque

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Segunda-feira, 31/8

Reunião do CLG/Sintufrj para elaboração do calendário de atividades da greve na semana.

Terça-feira, dia 1/9

Assembleia geral, às 10h, no auditório do CT.

Após a assembleia, ato nos corredores da Escola Politécnica.

Quarta-feira, dia 2/9

Sessão do CEG discutirá o calendário acadêmico.

Quinta-feira, dia 3/9

Ato das Ifes e do funcionalismo público federal em greve, no Fundão.

Nem um passo atrás e a greve continua!

Em destaque

GreveNo dia 20 de agosto, professores eméritos da UFRJ enviaram carta ao MEC para reclamar de alguns fatos que consideram “alarmantes” e que têm ocorrido na nossa universidade. O centro da queixa era que a Reitoria,  de acordo com a visão deles, estaria fortalecendo instâncias sindicais (o Comando Local de Greve (CLG)/Sintufrj e a sua Comissão de Ética) para tomada de decisões de competência do reitor e do Conselho Universitário – segundo entendimento desse grupo de docentes.

Ao tomarmos conhecimento dessa carta nos sentimos na obrigação de expor nosso ponto de vista sobre os fatos citados:

1 – Nossa greve é por uma educação de qualidade e, consequentemente, por melhores condições de trabalho nas universidades federais. O movimento completou três meses em consequência da intransigência do governo em negociar de fato as reivindicações dos técnicos-administrativos em educação.

2- Nossa greve começou no dia 29 de maio e o movimento é de evasão do local do trabalho. No processo de organização do movimento, decidimos pela essencialidade de algumas atividades, como as dos hospitais universitários e biotérios. Após essa deliberação, o CLG/Sintufrj criou uma Comissão de Ética, que em momento algum pretendeu substituir as instâncias da universidade. A tarefa da comissão é avaliar as solicitações  de excepcionalidades e esclarecer dúvidas que podem ocorrer ao longo da greve. As ações do CLG/Sintufrj, incluindo as da Comissão de Ética, se pautam pela deliberação inicial e pelo entendimento do que pode ou não acarretar prejuízos irreparáveis à universidade e à população.

Realizados esses esclarecimentos, é importante informar que, durante as greves da categoria, os trabalhadores deixam de se submeter às chefias e outras instâncias superiores da instituição para somente acatarem as deliberações da assembleia. A decisão de deflagração de greve é tomada coletivamente e democraticamente em assembleia, portanto, é a assembleia a instância que organiza a rotina dos servidores em greve.

O fato da Reitoria da UFRJ reconhecer a decisão coletiva de greve dos trabalhadores e agir de forma solidária ao movimento, é uma demonstração elogiável de respeito à democracia e pleno exercício da autonomia universitária. Esperamos que o MEC aja na mesma linha democrática, pois seremos contra qualquer ingerência do ministério na UFRJ conforme querem os signatários da carta. Nós, técnicos-administrativos em educação sempre lutamos pelo respeito à autonomia universitária.

Todos nós, estudantes, docentes e técnicos-administrativos em educação (sendo eméritos ou não), somos imprescindíveis para o funcionamento da UFRJ e, sendo assim, exigimos que respeitem a nossa greve e a nossa autonomia. Lutamos muito para conquistar nossa identidade como trabalhadores em educação nas instituições de ensino que, lamentavelmente, ainda vivem sob efeitos das famigeradas reformas universitárias que o regime militar tratou de consolidar. Ainda prevalece a  falsa hierarquia entre o valor do trabalho de técnicos e docentes, privilegiando os últimos em detrimento de todos os segmentos da universidade.

Recomendamos fortemente que, ao invés de reclamar para o MEC da nossa greve e da nossa Reitoria, os signatários da carta usassem toda sua influência e prestigio para fazer com que o governo cancele o corte de verba para a Educação pública. Isso sim tem causado prejuízos incalculáveis ao ensino, à pesquisa, à extensão na UFRJ, portanto, à sua reputação de instituição formadora de cidadãos éticos e competentes.

Por fim, contamos com a ação ágil e enérgica do Ministro da Educação para avançar nas negociações com as categorias em greve e para garantir os repasses orçamentários para a UFRJ, para garantir a qualidade das suas atividades.

Comando Local de Greve/Sintufrj

Técnicos-administrativos vão marchar em Brasília

Caravaneiros da UFRJ. Foto: Renan Silva

Caravaneiros da UFRJ. Foto: Renan Silva

A agitação típica em frente à sede do Sindicato sempre que há saída de caravanas a Brasília se repetiu na manhã desta quarta-feira, dia 26. Organizados pelo Comando Local de Greve (CLG)/Sintufrj 100 técnicos-administrativos ocuparam três ônibus rumo à Marcha dos Servidores Públicos Federais na quinta-feira, dia 27, no Planalto Central. As categorias vão pressionar o governo a apresentar respostas às pautas específica e unificada.

Uma equipe de reportagem da Rede TV acompanhou o embarque os caravaneiros, que vestiam camisas do movimento e portavam faixas e bandeiras. O coordenador-geral do Sintufrj Celso Procópio informou aos jornalistas o estágio atual da greve da categoria e os motivos da realização da marcha.

A marcha é também uma demonstração de força da categoria pelo avanço na pauta geral dos servidores federais. “Nós queremos o reajuste referente a reposição dos salários, que é 27,3%, a revogação da lei que cria a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares e que seja revisto o corte de R$ 9 bilhões da Educação”, resumiu o sindicalista.

Na quinta-feira, a programação da marcha começa às 9h, com concentração em frente ao Museu Nacional. A mobilização segue à tarde, quando os técnicos-administrativos em educação estarão em vigília em frente ao prédio do MEC, enquanto ocorre a reunião com a Secretaria de Ensino Superior (Sesu), a Secretaria de Relações de Trabalho do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e a Fasubra.

Ato na UFRJ

No dia 27, a partir das 9h, a categoria realiza manifestação nas escadarias do Centro de Ciências da Saúde (CCS) em frente ao Hospital Universitário. Estão previstos caminhada e buzinaço para reafirmar a decisão dos trabalhadores de que não haverá matrículas em disciplinas porque os técnicos-administrativos estão em greve.

Greve na UFRJ continua por tempo indeterminado

Funcionários aprovam continuidade da greve. Foto: Renan Silva

Funcionários aprovam continuidade da greve. Foto: Renan Silva

Os servidores técnico-admnistrativos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), aprovaram, em assembleia realizada nesta terça-feira, 25,no hall da Reitoria, a continuidade da greve da categoria. Cerca de 400 funcionários participaram da assembleia que deliberou a continuidade da greve com uma quase unanimidade. Apenas uma abstenção foi registrada.

A assembleia deliberou que a não realizará as matrículas presenciais do Sisu, seguindo a deliberação proposta pelo Comando Nacional de Greve. Na próxima quinta-feira, 25, está previsto para acontecer uma reunião entre a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Adminstrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra) e os Ministérios da Educação e Cultura (MEC) e de Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG).

Marcha dos SPFs

No mesmo dia da resposta do governo técnicos-adminstrativos de todo o país estarão em Brasília participando da Marcha Nacional dos Servidores Públicos Federais (SPFs), em Brasília.

Governo tenta  engessar movimentos

Em resposta aos quase três meses de greve nas universidades federais em todo o país, o governo federal ameaça repassar a contribuição mensal recebida pelos sindicatos em educação de todo o país alegando problemas de regularização na Secretaria de Gestão Pública (Segep), resultado da fusão entre a Secretaria de Gestão (Seges) e parte da Secretaria de Recursos Humanos (SRH). Com essa ação, cerca de 18 sindicatos filiados à Fasubra ficarão sem receber os repasses no próximo mês, o que irá gerar problemas, desde o atraso no pagamento de seus funcionários, às contas de luz, água e telefone.

Assembleia aprova continuidade da greve e doação de cestas básicas para terceirizados

Sindicalizados aprovam continuidade da greve. Foto: Renan Silva

Sindicalizados aprovam continuidade da greve. Foto: Renan Silva

Por unanimidade, os técnicos-administrativos reunidos em assembleia geral na segunda-feira, dia 17, no hall da Reitoria, aprovaram a continuidade da greve, a agenda de atividades da semana elaborada pelo Comando Local de Greve (CLG)/Sintufrj e a realização de uma campanha de solidariedade aos trabalhadores terceirizados.

A campanha consiste na doação de 60 cestas básicas à Associação dos Trabalhadores Terceirizados da UFRJ (Attufrj) para serem  distribuídas entre os terceirizados com salários atrasados. Os alimentos serão adquiridos com recursos do Fundo de Greve da categoria e pelo Sintufrj. Os custos serão rachados meio a meio.

Os trabalhadores da UFRJ também poderão fazer doações voluntárias de alimentos não perecíveis nas atividades da categoria, como na desta terça-feira, na Cinelândia, nas assembleias ou direto na sede do Sintufrj.

Próxima assembleia geral dia 24 de agosto, terça-feira, às 10h, em local ainda não definido.

Calendário semanal de atividades de greve

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Segunda-feira, 17/8

9h -reunião do CLG no Espaço Cultural do Sintufrj.

13h – assembleia geral no hall da Reitoria.

Terça-feira, 18/8

10h – ato unificado dos servidores públicos federais (SPFs), no  Centro do Rio.

Quarta-feira, 19/8

10h – reunião do Comando Estadual de Greve no Sindipetro.

14h – debate do Fórum (Im) Permanente de greve na Casa da Ciência. O tema do debate é “Horizontalidades, transversalidades: inventando novas geografias no ambiente de trabalho”.

Debatedores: Monica Atalla, pedagoga da Casa da Ciência; Gustavo Cravo e Rita Cavaliere, técnicos em assuntos educacionais da PR4; Evandro Ouriques, professor da Escola de Comunicação; Gabryel Henrici, representante do DCE da UFRJ;  Terezinha Costa, representante a Associação dos Trabalhadores Terceirizados da UFRJ.

24 e 25/8, em Brasília

Reunião da representação da Comissão Nacional de Supervisão da Carreira (CNSC).

Quarta-feira, 26/8

Reunião da CNSC no MEC, em Brasília.

UFRJ discutirá PEU da Ilha

Praia da Bica, Ilha do Governador. Foto: Reprodução

Praia da Bica, Ilha do Governador. Foto: Reprodução

O polêmico Projeto de Lei Complementar 107/2015 que institui o Plano de Estruturação Urbana (PEU) da Ilha do Governador – que inclui a Cidade Universitária – deverá ser tema de debate no Conselho Universitário.

Na sessão do dia 12, o ambientalista Sérgio Ricardo, morador da Ilha do Governador e organizador do movimento Baía Viva, expôs aos conselheiros uma série de problemas que a aprovação do PLC 107/2015 vai acarretar.

“PEU da especulação imobiliária”, “Projeto de erro urbanístico”, são algumas das forma que, em documento distribuído aos membros do Consuni, o ambientalista se refere ao projeto que, para ele se resume a especulação imobiliária, inclusive no Fundão.

Segundo ele, o projeto do PEU tramita de forma acelerada na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, mas não há nenhum estudo técnico avaliando o impacto viário, de vizinhança e ambiental e a população sequer foi ouvida. Há a suspeita de que o PEU atende aos interesses da indústria hoteleira em função da realização de megaeventos na cidade. E há previsão, inclusive de utilização da Ilha do Fundão que, neste vaso, teriam prédios de dois andares.

Além de tudo, o projeto mantém a ameaça de remoção e despejo de milhares de famílias de comunidades da Ilha do Governador e não menciona o direito à moradia das famílias da Vila Residencial da UFRJ, que lutam há muitos anos pela regularização.

UFRJ contará com seus especialistas e fará audiência pública

O pró-reitor de Gestão e Governança (PR/6), Ivan Ferreira Carmo lembrou que em 2009, o Conselho Universitário aprovou regras mínimas de planejamento, com o Plano Diretor e agora a comunidade é surpreendida com a tentativa de alteração. A Cidade Universitária foi incluída no PEU sem que se observasse nenhum de seus interesses.

Ivan explicou que representantes da Universidade fizeram intervenção na Camará dos Vereadores que gerou uma mensagem da Prefeitura do Rio, transformando a área em zona de especial interesse institucional, postergando a definição dos parâmetros urbanísticos.

Para lidar com o problema, Ivan solicitou ao reitor e ao colegiado que se produza, com apoio dos cursos e projetos que lidam com a questão de urbanismo e outras áreas de conhecimento relativas ao tema, uma avaliação do PEU, solicitando depois uma audiência pública para que seja debatido.

O pró-reitor de Planejamento, Desenvolvimento e  Finanças, Roberto Gambine sugeriu que o projeto fosse encaminhado à Comissão de Desenvolvimento do Conselho Universitário, que poderá contar com o apoio de especialistas para uma avaliação crítica.

O reitor Roberto Leher concordou com ambos encaminhamentos.

‘Conhecendo as Mazelas da UFRJ’

"Conhecendo as Mazelas da UFRJ". Foto: Renan Silva

“Conhecendo as Mazelas da UFRJ”. Foto: Renan Silva

A UFRJ sofre maus bocados após o corte de verbas realizado pelo governo, mas em escolas de todo o país, muitos alunos almejam a instituição como local para graduação. Para conhecerem um pouco mais sobre a universidade, estudantes de todo o estado foram convidados a se inteirarem um pouco sobre o cotidiano da UFRJ. Este ano, os estudantes também foram recepcionados pelo Comando Local de Greve (CLG/Sintufrj).

Uma carreata, seguida de panfletagem, organizada pelo Comando Local de Greve (CLG)/Sintufrj, nesta quarta-feira, 12, às 7h40 da manhã, recepcionou os estudantes do ensino médio que participavam do “Conhecendo a UFRJ” – evento que não deveria estar acontecendo porque os técnicos-administrativos, professores e estudantes da universidade estão em greve. Na assembleia do dia 28 de julho, a categoria aprovou que a atividade institucional não seria considerada como atividade de greve, conforme era o desejo dos trabalhadores da Pró-Reitoria de Extensão.

Os técnicos-administrativos em educação em greve entregaram aos visitantes dois mil panfletos expondo os problemas que a  universidade enfrenta devido ao corte no orçamento da União para a Educação. Dirigentes do Sintufrj também utilizaram o carro de som da entidade, estacionado em frente a Escola de Educação Física e Desportos, onde se realizava o evento, para complementar as informações aos estudantes e professores das escolas públicas e privadas sobre os motivos da greve.

Calendário semanal de atividades de greve

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

– Segunda-feira, 10/8

9h – reunião do Comando Local de Greve (CLG)/Sintufrj no Espaço Cultural do Sindicato.

16h -reunião do Fórum dos SPFs no Sintrasefe.

18h – reunião dos Comandos Locais de Greve na UFRJ no IFCS.

– Terça-feira, 11/8

Das 8h às 10h – reunião do CLG/Sintufrj com os trabalhadores do Instituto de Biologia. Local: Copa.

Pauta: avaliação da greve, reforma do regimento do IB e Grêmio da Biologia. Não falte!

10h – assembleia geral no auditório do Quinhentão, no CCS. Pauta: Greve. Em seguida, eleição de delegados aos congressos estadual e nacional da CUT.

Dia dos Estudantes – Os Comandos Locais de Greve na UFRJ organizam ato contra a maioridade penal.

14h – atividades pelo Dia Nacional dos Estudantes, na Cinelândia: aula pública sobre a redução da maioridade penal e cortes na Educação. Às 16h, panfletagem e caminhada até a Lapa; às 16h30, sarau. A partir das 19h, transmissão da votação da redução da maioridade penal no Congresso Nacional.

Quarta-feira, 12/8

“Conhecendo as mazelas da UFRJ”

7h – concentração no Sintufrj para saída da carreata pelas principais avenidas e ruas do campus da Cidade Universitária, culminando com panfletagem em frente à Escola de Educação Física e Desportos (EEFD).

Quinta-feira, 13/8:

8h – ato no Conselho Universitário (Consuni).

Calendário semanal de atividades de greve

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Ilustração de calendário. Foto: Reprodução

Segunda-feira, 3/8

9h – reunião do Comando Local de Greve (CLG)/Sintufrj, no Espaço Cultural do Sintufrj.

13h – reunião dos caravaneiros inscritos para ida a Brasília, no Espaço Cultural do Sintufrj.

15h – reunião aberta à toda a categoria da Coordenação Sindical de Esporte e Lazer para discutir uma agenda de atividades esportivas na universidade, no Espaço Cultural do Sintufrj.

Terça-feira, 4/8

8h – saída da caravana do Sintufrj rumo a Brasília.

15h – reunião na Adufrj dos Comandos Locais de Greve na UFRJ.

Quarta-feira, 5/8

9h – ato no CEG.

10h – em Brasília, os trabalhadores das Ifes realizam a Caravana pela Educação.

Quinta-feira, 6/7

9h – ato no Consuni.

Em Brasília, os SPFs realizam a Marcha Unificada dos Servidores Públicos Federais pelo avanço nas negociações.

Sexta-feira, 7/8

9h – ato no Cepeg.

10h – reunião do CLG/Sintufrj com os trabalhadores do HU, no hall dos elevadores.

Terça-feira, 11/7

10h – assembleia geral no auditório do Quinhentão. Pauta: greve.
Em seguida, eleição de delegados aos congressos estadual e nacional da CUT.

EM DECORRÊNCIA DA CARAVANA A BRASÍLIA, NÃO HAVERÁ REALIZAÇÃO DAS SEGUINTES ATIVIDADES: 

– Às segundas-feiras, às 9h, reunião do CLG, e à tarde, das comissões do CLG.   Sempre no Espaço Cultural e na sede do Sintufrj.

– Às terças-feiras, às 10h, assembleias no auditório do CT.

– Às quintas-feiras, assembleias itinerantes com realização de atos.


Integram o Comando Nacional de Greve (CNG) os seguintes companheiros: Gercino, Antonio Theodoro da Silva Filho, José de Oliveira, Ruy Reis Santana Vaz, Gilvan Joaquim da Silva, Marcílio Alves e João Paulo Gibson Nunes.